Seja bem-vindo ao eBook que explicará como garantir a sua aposentadoria de forma independente!

Sumário

O noticiário político-econômico dos últimos meses tem como um de seus principais temas a reforma da Previdência. Mas, afinal, você sabe como essa discussão do governo pode afetar o seu futuro? 

Diversas regras da aposentadoria estão sendo discutidas para mudar e desafogar os cofres públicos, o que pode impactar parte da população. Mas por que ter riscos de ter a sua aposentadoria alterada se você mesmo pode garantir o seu futuro de forma independente?
 
É por isso que preparamos este Guia Definitivo da Aposentadoria Privada. Aqui, você terá todas as informações necessárias para contratar um plano privado de Previdência. Tenha uma ótima leitura!

Guia definitivo

Aposentadoria

da

A importância da Previdência Privada

Fundos de Pensão

Como Diferenciar PGBL e VGBL

Como se dá a arrecadação
dos Fundos de Previdência

Os aportes em Previdência Privada

Como resgatar o dinheiro investido

Tesouro Direto também serve para a aposentadoria?

Saiba Como Conseguir Seu Primeiro Milhão Com Previdência

0102030405060708

A importância da Previdência Privada

Capítulo 01

É comum associar ao Estado brasileiro algumas obrigações. Entre elas está a aposentadoria. Ao longo dos anos, o trabalhador teve a certeza de que o Estado garantiria a sua tranquilidade quando não pudesse mais trabalhar. Então, aquele que tinha carteira assinada cumpria com suas obrigações no dia a dia e, quando chegava a hora, pedia a aposentadoria e passava a viver com o benefício do INSS.

A questão é que, por trás dessa lógica, sempre houve um problema: o modelo previdenciário. Na cabeça das pessoas, é natural acreditar que o dinheiro que recebem mensalmente do INSS é resultado de anos de contribuição enquanto trabalharam sob o regime da CLT. Entretanto, não é bem assim. O dinheiro que elas recebem hoje sai da contribuição de quem trabalha sob carteira assinada hoje. Já o que essas pessoas contribuíram no passado serviu para financiar a aposentadoria dos aposentados daquela época.


A questão é: hoje, vivemos uma crise no sistema previdenciário que tende a ficar cada vez maior no futuro se o modelo de arrecadação não for alterado. O que ocorre é que a qualidade de vida tem aumentado significativamente nos últimos anos e a quantidade de pessoas idosas já é muito maior do que no passado.


Se, por um lado, é animador saber que poderemos viver mais no futuro, por outro, será inviável cobrir os gastos com dependentes se o sistema atual continuar. O desafio então é criar um modelo que seja capaz de resolver esse problema, mas essa é uma questão para o governo resolver. Para o contribuinte, o desafio é criar meios para não depender da Previdência Pública, o que, consequentemente, revela a importância da Previdência Privada.


Você conhece a Previdência Privada? Sabe como ela funciona? Confira abaixo os tipos de planos disponíveis no mercado.

voltar para o sumário

Guia definitivo

Aposentadoria

Seja bem-vindo ao 
Guia de Completo da Aposentadoria 
Privada

A importância 
da Previdência Privada

Tipos de 
Previdência Privada

São dois os tipos de Previdência Privada, conhecidos como planos fechados e abertos. A diferença entre eles está em quem os disponibiliza. Assim, planos de previdência fechados são os oferecidos por Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Comumente, esses planos são conhecidos como Fundos de Pensão.

Já os planos de previdência abertos são as soluções de mercado apresentadas por instituições financeiras. Como eles podem ser feitos por qualquer pessoa, são tidos como abertos.

Capítulo 02

Fundos de Pensão

voltar para o sumário

Fundos de pensão

As soluções corporativas funcionam da seguinte maneira: uma entidade aplica o dinheiro em ativos de renda fixa e variável e o trabalhador que adere ao Fundo de Pensão contribui mensalmente com um valor que complementa o investimento. Os valores dependem de cada fundo, sendo determinados por contrato. Caso o profissional seja afastado do cargo, ele tem direito a resgatar parte do valor investido enquanto participou do programa.

As três diferentes modalidades de planos são:

voltar para o sumário

Capítulo 03

Como Diferenciar PGBL e VGBL

A grande diferença entre o Plano Gerador de Benefício Livre e o Vida Gerador de Benefício Livre está na forma de tributação de cada um deles. No primeiro, o recolhimento do imposto sobre o capital se dá sobre o valor total e, no segundo, sobre a renda obtida. Nos dois casos, o Imposto de Renda incide somente no momento do resgate.
 
Ambos funcionam sob a mesma lógica: os recursos vão sendo acumulados com o passar do tempo e, a partir de um determinado momento, passam a proporcionar aos investidores um valor. Esse valor pode ser resgatado em forma de pagamento único ou por meio de uma renda mensal (vitalícia ou não).

 
Em geral, o PGBL costuma ser recomendado para quem faz a declaração completa do Imposto de Renda, enquanto o VGBL é mais indicado para quem faz a declaração simplificada. Isso acontece porque prêmios e contribuições pagos a planos, como o VGBL, não podem ser deduzidos na declaração de ajuste anual do Imposto de Renda da Pessoa Física. Já no caso do PGBL, o mais indicado é usar o modelo completo, que permite a dedução das contribuições de até 12% da renda bruta.

 
Vale destacar que o VGBL é interessante quando o investidor considera destinar o dinheiro de suas aplicações como herança, pois, em caso de falecimento do titular, não há imposto para a transmissão e a transferência é imediata, já o PGBL funciona melhor como complemento de renda após o trabalhador se retirar do mercado de trabalho.

Como diferenciar PGBL e VGBL

voltar para o sumário

Capítulo 04

Como se dá a Arrecadação dos Fundos de Previdência

A lógica dos Fundos de Previdência é simples: você passa a investir em um fundo de previdência e acumula recursos para futuramente receber seu benefício. Sabendo disso, uma dúvida normal é a respeito do que é feito com o dinheiro. Em outras palavras, o que as instituições fazem para que o valor depositado ao longo dos anos tenha um rendimento capaz de justificar o negócio e ainda gerar renda para aposentadoria?
A resposta está nos investimentos. As instituições aplicam esse dinheiro ao longo dos anos em diferentes ativos com bom potencial de retorno. Isso não é feito de maneira aleatória. Existem critérios para que as instituições responsáveis invistam o dinheiro aplicado em Previdência Privada. É possível recorrer a qualquer tipo de ativo, visando a valorização do dinheiro do investidor, desde que a movimentação esteja de acordo com as exigências do Conselho Monetário Nacional (CMN). Isso se dá na forma de percentagens máximas para alocação em tipos de investimento. 


Para a grande maioria do investidor de varejo, pessoa física, são usados os limites máximos de investimento, que são os seguintes:

  • 100% do patrimônio em renda fixa; 
  • 70% em renda variável; 
  • 20% em imóveis, via fundos; 
  • 10% em ativos sujeitos à variação cambial; 
  • 20% do patrimônio em demais ativos.

Já os investidores tidos como mais qualificados, ou seja, que possuem mais de um milhão de reais investidos em aplicações financeiras, seguem os limites a seguir.

Como se dá a arrecadação dos Fundos de Previdência

O ideal é que a pessoa não desista do plano, mas caso isso aconteça, ainda assim, ela pode resgatar o montante acumulado ao longo do tempo em que contribuiu com a Previdência Privada. Entretanto, isso depende do tipo de imposto cobrado no plano escolhido. Existem dois, que seguem:

Rentabilidade

  • a tabela progressiva, na qual o resgate pode ser realizado uma única vez ou em parcelas mensais com tributação de até 27,5% sobre o rendimento;
     
  • a tabela regressiva, na qual o dinheiro pode ser resgatado somente via parcelas mensais. A tributação começa em 35% no início da contribuição e vai diminuindo 5% a cada dois anos. Após 10 anos de contribuição, o investidor terá a menor tributação, de 10%, até o resgate.

Assim, considerando a tributação, a tabela progressiva é mais indicada para quem pretende fazer o resgate em até 5 anos, enquanto a tabela regressiva é recomendável para, pelo menos, 10 anos da data em que a contribuição começou porque a tributação é a menor possível, ou seja, 10%. 

Ao escolher o regime de tributação mais adequado, considere se o seu projeto é de curto, médio ou longo prazo. Essa dica é importante para que você não perca dinheiro. 


Em termos de rentabilidade, é preciso atenção aos custos com taxas de administração e carregamento da Previdência Privada, pois, como veremos no tópico referente ao Tesouro Direto, o baixo custo com tarifas é um dos diferenciais do investimento do Tesouro Nacional. No entanto, há instituições, como a Genial Investimentos, que não cobram essas taxas de carregamento. 


Ao investir em Previdência Privada em algumas instituições, você pode ter que pagar até 2% do aporte em taxas, assim, aplicando R$ 100 por mês, por exemplo, a cada mês, você perderá R$ 2. Pode parecer pouco, mas tendo em mente que se trata de um investimento de longo prazo tarifas altas podem comprometer a sua rentabilidade, justificando a escolha por outras opções como o Tesouro Direto. Portanto, fique atento aos valores das tarifas, pois isso interfere diretamente na sua rentabilidade. Procure corretoras que ofereçam tarifas mais baixas e sem taxas de carregamento.

Capítulo 05

Os Aportes em Previdência Privada

voltar para o sumário

É possível fazer aplicações mensais ou via parcela única. Dependendo do plano, ele exige um aporte inicial para o investidor que pretende aplicar mensalmente. Esse valor, previamente determinado, varia em função do fundo de investimento em questão, podendo até não ser exigido. De maneira geral, o que realmente importa são os aportes mensais que, quando escolhidos, precisam seguir as regras preestabelecidas.
 
O investidor também tem a possibilidade de fazer aportes extras, caso venha a reunir condições para tanto. Quando eles acontecem, são somados ao valor acumulado e permitem uma rentabilidade maior.

Os aportes em Previdência Privada

voltar para o sumário

Capítulo 06

Como Resgatar o Dinheiro Investido

Você pode escolher entre o resgate único/parcial ou receber em forma de renda mensal. A segunda opção é um diferencial da Previdência Privada. Outros tipos de investimentos podem servir para a aposentadoria, mas não dão a opção para o recebimento mensal do dinheiro investido.

Os benefícios podem ser resgatados das seguintes formas:

Os aportes em Previdência Privada

Capítulo 07

Tesouro Direto também serve para a aposentadoria?

voltar para o sumário

Tesouro Direto Também 
Serve Para a Aposentadoria?

A resposta é “sim”, desde que o investimento seja feito dentro de uma estratégia de longo prazo. O Tesouro Nacional oferece diferentes tipos de títulos para o investidor aplicar seu dinheiro no Tesouro Direto. Todos eles seguem uma lógica diferente. O Tesouro Selic, por exemplo, varia em função da taxa Selic, ou seja, sempre que ela sobe, o seu dinheiro rende mais. Já o Tesouro IPCA é indexado ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, que em termos práticos significa inflação. 

Sendo assim, é importante ter atenção ao desempenho desses índices no momento em que o investimento é feito e aos cenários futuros. Para quem pensa em aposentadoria, o IPCA+ costuma ser bastante atrativo, pois paga de acordo com a inflação acrescida de uma taxa previamente definida.


Você pode escolher entre o Tesouro IPCA+ com juros semestrais (NTN-B), que remunera a cada seis meses a rentabilidade do título, e o Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal), que remunera somente no vencimento do título.


O ideal é que você adote uma estratégia para seus investimentos sempre pensando em curto, médio e longo prazos. Para tanto, é preciso definir seu perfil como investidor e os objetivos antes de começar a fazer as aplicações. Uma pessoa com 30 anos e que sempre destinou seus recursos à caderneta de poupança, por exemplo, precisa primeiramente compor a sua reserva de emergência para resgate rápido (curto prazo), um valor que pode variar entre 6 e 12 vezes o seu salário, para somente então pensar em estratégias de médio e longo prazos.


Uma carteira simples e ao mesmo tempo interessante para quem pretende construir a aposentadoria investindo somente no Tesouro Direto seria: fazer a reserva de emergência no Tesouro Selic, pois este apresenta liquidez diária e rentabilidade melhor do que a da Poupança, e a aposentadoria no Tesouro IPCA+, garantindo, assim, que seu dinheiro está seguro da inflação.


No entanto, ao aplicar no Tesouro Direto visando a aposentadoria, você pode acabar saindo prejudicado comparando com a Previdência Privada:

  • A tributação do Tesouro Direto chega até 15%. Na Previdência Privada, o
    valor mínimo de imposto é de 10%.

  • Tesouro Direto entra em inventário, a Previdência, no caso do VGBL, não.

  • Tesouro Direto não tem benefício fiscal como a modalidade do PGBL em que é possível abater boa parte dos impostos devidos.
voltar para o sumário

Capítulo 08

Saiba Como Conseguir Seu Primeiro Milhão Com Previdência

O que acontece se não declarar?

Acredite: isso é possível. E viver com um milhão enquanto aposentado pode ser o que você precisa para desfrutar da melhor da fase da vida. Por que não tentar? O caminho é economizar agora para aproveitar depois. Vamos considerar as possibilidades: a Genial Investimentos conta com uma ferramenta que ajuda você a mapear o processo para simplificar a escolha dos ativos. Serão eles que renderão a ponto de dar a você o que precisa para viver bem quando não estiver mais no mercado de trabalho.

Essa ferramenta é o Simulador de Investimentos Genial. Dentro dele, você pode escolher as opções que representam seus objetivos. Casamento, imóvel e viagem são apenas alguns exemplos das categorias disponíveis. Para simular a sua aposentadoria, clique em "Aposentadoria". O sistema pedirá algumas informações e dará a você o direcionamento certo para começar a investir.


Vamos fazer uma simulação simples aqui considerando o tempo estipulado na proposta da Reforma da Previdência Social, ou seja, 62 anos para mulheres e 65 para homens, com tempo de contribuição mínimo de 20 anos, o que representa 240 meses.


Se, ao longo desse período, um investidor aplicar R$ 100 por mês mensalmente na poupança, considerando a rentabilidade atual, ele terá cerca de R$ 40 mil ao se aposentar. Se fizer aportes de R$ 500, chegará a aproximadamente R$ 200 mil. Aumentando esse valor para R$ 1 mil, dentro de 20 anos, o resultado será próximo de R$ 400 mil, o que pode parecer interessante até compararmos com outras opções.

 
Considerando um investimento com 1% de rentabilidade ao mês, investindo os mesmos R$ 100, teremos cerca de R$ 100 mil em 20 anos. Com R$ 500, o valor será próximo de R$ 500 mil. Com um pouco mais de disciplina e organização financeira, ao investir R$ 1 mil por mês, o resultado final estará em torno de R$ 1 milhão.

 
Sabemos que não é a realidade de boa parte dos brasileiros poder investir um valor tão alto por mês, mas a questão aqui é saber que é, sim, possível prosperar financeiramente investindo com critérios, ou seja, definindo um valor a ser aplicado e conhecendo a rentabilidade dos investimentos que o mercado oferece. Você pode criar estratégias para 20, 25, 30 anos e depositar o que couber no seu orçamento. O importante é começar a investir o quanto antes e não depender da aposentadoria pública.


As dicas aqui apresentadas servem para ajudar você a tomar as melhores decisões em relação ao seu dinheiro no futuro. Todas as soluções podem ser úteis desde que você aplique com estratégia e segurança. Para isso, a Genial está sempre do seu lado. Conte conosco não somente para ter acesso aos nossos produtos financeiros, mas também para receber informações que podem simplificar a sua vida.


A Genial é a plataforma de investimentos que oferece os melhores produtos do mercado, assessoria sem custo 
e faz o seu dinheiro render mais.

+ DE 32 BILHÕES
EM ATIVOS

+ DE 200 MIL
CLIENTES

“O jeito de  investir mudou.  Por isso, eu 
mudei para a  Genial.”

Guga Kuerten
Tricampeão de
Roland Garros

A Genial é a plataforma
 de investimentos que oferece os melhores produtos do mercado, assessoria sem custo 
e faz o seu dinheiro render mais.

+ DE 200 MIL
CLIENTES

+ DE 32 BILHÕES
EM ATIVOS

e-book online

Luciano Faustino

CMO da Genial Investimentos

CMO da Genial Investimentos

Vem ser Genial. Abra sua conta.
É simples, rápido e grátis.

*campos obrigatórios

Vem ser Genial. 
Abra sua conta.
É simples, rápido e grátis.

Via pagamento único

Os planos fechados
Os planos fechados de previdência são assim chamados por serem acessíveis apenas aos funcionários de uma determinada empresa (sendo ela pública ou privada) ou a profissionais de uma determinada categoria.
Costumam ter baixo custo, por serem patrocinados, e podem ser mantidos mesmo após o desligamento do colaborador, desde que ele arque com os custos integralmente. 

Os planos abertos
Como são ofertados por instituições financeiras a qualquer pessoa, eles envolvem custos geralmente mais altos. Geralmente, são divididos entre Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) e Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL).

  • contribuição definida, em que o valor a ser pago pelo trabalhador é previamente definido, mas o valor a ser recebido não, pois dependerá dos resultados dos investimentos realizados; 

  • benefício definido, neste caso, o valor a ser recebido é determinado assim que o funcionário adere ao plano; 

  • contribuição variável: modalidade em que há uma combinação entre elementos da contribuição definida e do benefício definido, existindo diferentes possibilidades a serem acordadas entre as partes.

Os Fundos de Pensão são tidos como um complemento da Previdência Social. Entre as vantagens, está a possibilidade de dedução de até 12% da renda tributável ao trabalhador. Além disso, as taxas, como as de administração e carregamento, normalmente são menores do que as de fundos individuais. Outro aspecto interessante é que, nesse tipo de investimento, a contribuição é automática, ou seja, ela é descontada diretamente do salário pago pela empresa.

Entretanto, existem também as desvantagens. Fundos de Pensão apresentam baixa liquidez. Além disso, não cabe ao trabalhador escolher o fundo para onde será destinado o seu dinheiro, ficando isso a cargo da empresa. Consequentemente, isso aumenta o risco de serem feitas escolhas ruins e até de falência de quem administra o dinheiro.


Você deve ter notado que ambos são investimentos em Previdência Privada, mas possuem perfis diferentes, principalmente em relação aos custos. Como o PGBL permite vantagens fiscais em relação ao Imposto de Renda para até 12% da renda bruta, uma estratégia interessante é destinar esse valor ao PGBL e concentrar o restante dos seus investimentos no VGBL. 

Evidentemente, você deve se preparar para questões como resgate e sucessão, mas essa certamente é uma estratégia válida para fazer render ainda mais o seu dinheiro com previdência privada. Isso permite um patrimônio acumulado significativamente maior e ainda garante benefícios que são exclusivos de cada plano.

Como e por que investir no PGBL e no VGBL ao mesmo tempo?

  • 100% do patrimônio em renda fixa; 
  • 100% em renda variável; 
  • 40% em imóveis, via fundos; 
  • 10% em ativos sujeitos à variação cambial; 
  • 40% do patrimônio em demais ativos.

Quando chega a data estabelecida e o titular do plano recebe um pagamento único, resultado do cálculo realizado com base no saldo de provisão matemática de benefícios a serem concedidos.

Via renda mensal por prazo certo

É paga por um período determinado, não dura a vida toda. Ocorrendo a morte do titular, os valores são repassados aos beneficiários legais até o fim do prazo acordado.

Renda vitalícia

Começa a ser paga a partir da idade determinada pelo investidor e dura até o fim de sua vida. Não permite a transferência de recursos para beneficiários.

Renda Temporária

O titular determina uma idade para receber o benefício. Quando ele atinge essa idade, deixa de receber os benefícios, entretanto, isso permite a ele uma renda maior do que na renda vitalícia.

Renda vitalícia com prazo mínimo garantido

O participante recebe até o fim da vida e pode escolher um prazo para que a renda seja revertida aos beneficiários em caso de óbito.

Renda vitalícia reversível ao beneficiário indicado

Também é paga a partir da idade definida até o fim da vida do participante e, depois do seu falecimento, um percentual da renda é destinado a um beneficiário até este vir a falecer.

Segue a lógica de pagar ao beneficiário da idade definida por ele até o fim da vida. Com a diferença de que, em caso de morte, um percentual da renda é destinado ao cônjuge ou companheiro por toda a vida. Havendo morte também dessa pessoa, um percentual passa a ser pago aos filhos até que atinjam a maioridade.

Renda vitalícia reversível ao cônjuge com continuidade aos menores


Privada

“O trabalho em equipe é o combustível que leva pessoas comuns a atingir resultados descomunais”

Andrew Carnegie

“Teamwork is the fuel that allows common people to attain uncommon results”

A nossa satisfação para levar você ao mundo dos investimentos é enorme. Trabalhamos em conjunto alinhados a um único objetivo: proporcionar conteúdo didático sobre educação financeira a partir de uma experiência agradável de leitura. Adquirindo conhecimento, o seu dinheiro passa a ganhar vida e gera cada vez mais frutos!